quinta-feira, 14 de março de 2013

Novo Papa, Novo Nome... Nova Igreja?





Com um papa Jesuíta de nome Francisco, seria muito bom mesmo que nos recordássemos dos ensinamentos de São Francisco de Assis. Mais do que recordá-los, é hora de agir em conformidade! Mesmo não sendo Franciscano, espero que o seja no coração... Porque é para São Francisco de Assis que o nome adoptado pelo novo Papa me leva.
 
Com toda a energia que está no Céu em Peixes (Sol, Mercúrio, Vénus, Neptuno e Quiron), um Mercúrio retrógado e Lua, Marte e Úrano em Carneiro, espero profundamente que seja a abertura de um novo caminho onde as Crenças assentes em Valores Universais de Amor, Fé, Unidade, Compaixão, Solidariedade, Irmandade, Serviço... sejam os pilares de uma instituição que representa espiritualmente tantos milhões de pessoas. Espero também que tudo o que põe em causa o SER, seja revisto e transformado. Que as sombras do passado sejam alquimizadas e iluminadas como nos sugere Saturno retrógado em Escorpião e, com isso, que seja o Poder do Espírito, do Cristo, a governar e não a enorme insaciedade humana (Plutão em Capricórnio). É hora da Igreja agir, revendo o que a impede de Servir em Verdade, como sugere o símbolo sabeu do grau do Sol de hoje. Ou não será mais que ilusão... e, quem sabe se a profecia não terá razão... Penso que é muito significativo que o novo Papa seja Jesuíta e tenha escolhido o nome Francisco. Como sugere Júpiter em Gémeos, o "Dedo de Deus" do mapa, que o novo Papa venha Servir o Homem comum.

Estando este evento sobre o efeito da lunação de peixes que aconteceu há dois dias, o símbolo sabeu dessa lunação é ainda mais importante. Aqui fica ligação para o texto. Lunação de Peixes


Símbolo sabeu para o grau do Sol hoje - 23 Peixes
"Um médium materializador fazendo uma sessão.
Ideia básica: A capacidade de dar um pouco da própria energia vital para substanciar os próprios ideais conscientes ou desejos inconscientes.
A pessoa que acredita ter uma missão ou mandato, ou algum dom especial que possa revestir-se de valor para a sua comunidade, deve substanciar essa crença. Tem de produzir resultados. Por vezes, isso envolve dificuldades e condições ou circunstâncias especiais; sempre requer, em algum grau, a doação de algum valioso poder que é profundamente próprio da pessoa. O pensamento de sacrifício foi sugerido pelo cordeiro branco no primeiro símbolo desta série quíntupla. Algo precioso envolvido numa experiência profundamente pessoal deve ser entregue, oferecido a outros. A substância psíquica do médium fornece os materiais tornados visíveis nos fenómenos, se estes últimos forem genuínos. Após a sessão, o médium costuma estar exausto. O realizador dá um pouco da sua própria vida à realização.
A exibição de energia psíquica que o símbolo descreve pode ser interpretada de forma positiva ou negativa, a depender dos motivos que induziram o "médium" a fazer a sessão. Em sem aspecto mais construtivo, sugere a palavra-chave substanciação. O aspecto sombrio do processo é "engano". "

Marte está neste momento no 1º grau de Carneiro, signo da sua regência. Símbolo do fogo original que se manifesta na primavera, Cordeiro de Deus.

 Grau 1 de Carneiro:

"Uma mulher recém saída do mar; uma foca a abraça.
Ideia básica: Emergência de novas formas e de potencialidades da consciência.
Esta é a primeira das 360 fases de um processo cíclico de carácter universal e dotado de muitos níveis, cujo alvo é a actualização de um conjunto particular de potencialidades. Essas potencialidades, nos símbolos sabeus referem-se ao desenvolvimento da consciência individualizada do homem - A consciência de ser uma pessoa particular com um lugar e uma função (um "destino") no organismo planetário da Terra e num tipo particular de sociedade e cultura humanas.
Ser individualmente consciente significa emergir do mar da consciência genérica e colectiva - que, a mente que emergiu, afigura-se como inconsciência. Tal emergência é o evento primário. É o resultado de alguma acção básica: um deixar para trás, uma emergência de um ventre ou matriz, aqui simbolizado pelo mar.
Essa acção não deve ser considerada uma afirmação poderosa e positiva do ser individual. No princípio é o Acto, mas, com frequência, trata-se de um acto imperceptível e inseguro. O pequeno germe tenro que surge da semente, não proclama em altos brados sua existência. Ele precisa abrir caminho pela crosta do solo, ainda coberta pelos remanescentes do passado. É todo potencialidade, apresentando um mínimo de presença real.
No símbolo, portanto, a entidade emergente é uma Mulher; em termos simbólicos, uma forma de existência ainda próxima das profundezas inconscientes da natureza biológica genérica, plena de desejos de ser, em vez de auto afirmação. A mulher é vista abraçada por uma foca porque a foca é um mamífero que um dia experimentou uma emergência biológica, evolutiva, mas relativamente inconsciente, e que, no entanto, voltou sobre seus próprios passos e "retornou ao ventre" do mar. A foca representa, portanto, um passo regressivo. Ela abraça a mulher que emergiu, pois todo o processo emergente é, no início, susceptível ao fracasso. Esse processo, com efeito, é cercado pela memória, os fantasmas dos fracassos passados no curso de ciclos anteriores. O impulso para cima é contido pelo medo ou insegurança regressivos; a questão do conflito depende da potência relativa das forças que se dirigem para o futuro diante daquelas que seguem a direcção do passado.
A possibilidade de êxito e de fracasso está implícita ao longo de todo o processo de actualização. Toda a libertação de potencialidade contém essa dupla possibilidade. Ela abre inevitavelmente dois caminhos: um caminho leva à "perfeição" na consciência; o outro, à "desintegração" - o retorno ao estado indiferenciado (o estado de humu, adubo, poeira cósmica -, isto é, retorno ao caos, "às grandes Águas do espaço", do cunho simbólico.
Este símbolo caracteriza o 1º dos cinco estágios que se repetem em três níveis. Este estágio representa a afirmação inicial, ou tema, da série quíntupla que se refere ao 1º nível: Impulso de Ser."
Uma Mandala Astrológica - Dane Rudhyar


Oração de São Francisco de Assis

Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a f
é;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.
Oração de São Francisco de Assis
Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver dúvida, que eu leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
Ó Mestre, Fazei que eu procure mais
Consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois, é dando que se recebe,
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna.


 
Aqui pode ler o excelente texto do António Rosa sobre o Papa Francisco.

 
Vera Braz Mendes
 

10 comentários:

  1. Bom dia Vera!
    Ontem, enquanto assistia pela TV, aguardando o sinal da fumaça branca, vi aquele pássaro branco pousar na chaminé, {parecia uma gaivota}, senti que seria algo especial e que seria ontem mesmo revelado o nome do novo Papa.
    Também já havia lido sobre o grau Sabeu em outro blog.
    Juntando-se a isso ser o dia 13, de um ano 13 e que se somada a hora local do evento da fumaça..07:06 hrs...tem-se também um 13... número sagrado e considerado crístico.
    Então, fora de qualquer religião, que SEJA FEITA A SUA VONTADE para esta humanidade completamente carente.
    Um beijo...adorei seu post...
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia Astrid! É verdade, tudo é 13.... Independentemente de religião, que SEJA FEITA A SUA VONTADE.

      bj

      Eliminar
    2. Astrid, também senti o mesmo da gaivota. É isso, qe seja feita a sua vontade.

      Isso do 13 é magnífico.

      Vera, desculpe estar a dirigir-me à Astrid no seu blogue. :)

      Eliminar
  2. Reli...e continuei gostando muito.
    Irei compartilhar.
    Mais um beijo Vera
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
  3. Vera

    Excelente texto. GOSTEIIIIIIIIIIII MUUUUUIIIIIIIIIITTTTTTTTTTTTTOOOOOOOOOOOOOOOO. Passe a deselegância em favor do reforço da ideia. Muito bem escrito e muito bem visto.

    Deve imaginar o que por aí vai... sobretudo da banda brasileira e americana que estão muito desiludidos por o Papa não ser das suas nacionalidades. Já disse no perfil da Astrid. Ontem não tive tempo de ler nada, mas hoje estou a reunir informação imagens e textos) para criar um dossier privado (pois como a memória já não nada...) e, dizia eu à Astrid e aqui deixo a si, também. Havia uns quantos nomes de astrólogos brasileiros e americanos que eram para mim, «assunto superior» e hoje, fiquei desiludido, pois quem diria que são simples seres humanos... Os brasileiros a desancarem no Papa só por argentino e como sabemos são povos que não se aconchegam. Quanto aos americanos é pura 'dor de corno'. Estou a divertir-me com as leituras e com tudo aquilo que já desenterraram da vida do actual Papa, nos anos 70, quando havia ditadura na Argentina. Esses astrólogos que li hoje e que agora, para mim, são simples seres humanos, tiveram o condão de eu ter subido à condição deles: também sou um ser humano.

    Muito bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada António. Somos todos.... Seres Humanos. Acredito que, apesar das velhas crenças do novo Papa principalmente em relação aos homosexuais, ele será um renovador.

      bj

      Eliminar
  4. Já são as primeiras conseqüências do novo Papa...ver quem é quem.
    Enquanto o olhar e a compreensão for rasa e horizontal ficamos assim..cheios de "dor de corno" como disse o António..
    Um olhar um pouco mais acima e sentindo na vertical compreendemos tudo.. o mundo não tem fronteiras, nem raças, nem limites, nem religião...
    Eu adorei o evento e compreendi muitas coisas..humanas e não tão humanas... sejamos felizes...
    Mais um beijo grande para cada um ...Vera e António
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
  5. Pois, apesar das velhas crenças (que também me deixam um pouco triste, mas que me recordam que afinal todos somos de facto "apenas" humanos, com as limitações que isso acarreta)e de infelizmente não ter assistido ao envento em directo, ouvi-o em directo pela rádio, e curiosamente também compreendi/senti muitas coisas humanas e não humanas. Achei lindo.... e eu que não sou praticante, fiquei comovida.

    Adorei todos estes esclarecimentos, e estas "luzes" Vera.

    Beijinhos

    Rita Cortez

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Religiões à parte... Porq eu sou de todas.... Naquilo que têm em comum. E o q têm em comum é o universal, espiritual. Penso que é chegada a hora da Igreja se reformular.

      Bj

      Eliminar