segunda-feira, 11 de junho de 2012

Tenho em mim todas as sombras do mundo







Tenho em mim todas as sombras do mundo. E elas vêm… tantas vezes elas vêm. Estou no meio e observo. E continuo no meio… Tanta luz, tantas verdades, promessas… tantas trevas. E eu estou humanamente no meio. Quero luz, quero brilho, quero Deus… quero o Deus em mim… mas tenho em mim todas as sombras do mundo! Sei o que não sinto. Sinto o que não sei. Sei o que sei e sinto. Na confusão desisto, desarmo, perco-me e encontro-me.

Tudo o que observo é projecção minha. Não há excepções. Sou eu a contadora de histórias, a manipuladora de significados. A sombra sempre esteve atrás de mim. Quando olho apenas para a luz… não a vejo. Se estiver mergulhada na escuridão… também não a vejo. Percebo-a pela projecção. Aumento-a pelo significado. E é na mudança de significado que construo a ponte que me guia à liberdade.

A verdadeira guerra não é lá fora, é cá dentro. A verdadeira prisão não tem grades nem muros. A cabeça explode e o coração aquieta-se. O coração sabe.

Humanamente no meio, descobri que a sombra é um campo fértil. No mergulho sem máscara descubro quem também sou e ainda não sabia. Descubro o que impede, o que aprisiona, o que ilude… Exponho-me e descubro a curadora ferida. Na exposição vislumbro a magnificência…


Na busca do conhecimento todos os dias adquiro. Na busca da totalidade todos os dias deixo alguma coisa para trás. E é assim que encontro em mim, também, todos os sonhos do mundo.


“Tive um sonho que me assustou e me animou ao mesmo tempo. Era de noite, e encontrava-me num lugar desconhecido. Avançava com dificuldade contra um vento forte. Uma densa bruma cobria tudo. Nas minhas mãos em forma de taça, tinha uma débil luz que ameaçava extinguir-se a todo o momento. A minha vida dependia dessa débil luz, que eu protegia preciosamente. De repente, tive a impressão de que algo avançava atrás de mim. Olhei para trás e apercebi-me da forma gigantesca de um ser que me seguia. Mas ao mesmo tempo estava consciente de que, apesar do meu terror, devia proteger a minha luz através das trevas e contra o vento. Ao acordar dei-me conta que a forma monstruosa era a minha sombra, formada pela pequena chama que tinha acendido no meio da tempestade. Sabia também que aquela frágil luz era a minha consciência. A única que possuía, confrontada com o poder das trevas, era uma luz, a minha única luz”  - Recuerdos, Sueños e Pensamientos – Carl Jung


Vera Braz Mendes




19 comentários:

  1. Que lindo texto!!!!!
    Na verdade, um poema! Adorei e vou partilhar.
    bjo e boa semana pra ti!

    ResponderEliminar
  2. Muito lindo e universal!!!
    As tuas trevas são as minhas trevas..
    o filtro é que difere:
    a minha consciência da tua consciência..

    E, a consciência, parece-me a mim, é a
    única coisa que levamos connosco no final
    de cada viagem neste grande carrossel que
    sobe e desce e sobe e desce..

    O resto e a paisagem que conseguimos
    enchergar..

    Parabéns, linda!! Gosto mesmo muito deste
    texto!

    Um abraço e até já
    Filomena

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. sobe e desce, sobe e desce. É assim. Obrigada Filomena. bj

      Eliminar
  3. Tão lindo e verdadeiro!!

    ResponderEliminar
  4. Lindo texto. Sem as sombras não existiríamos, pois é a nossa grande aprendizagem.

    ResponderEliminar
  5. Maravilhoso texto Vera!
    E concordo com o que disse o António!
    Beijo grande
    Astrid Annabelle

    ResponderEliminar
  6. Quando as palavras ondeiam desta forma, soltando-se suavemente da prosa para a poesia, já a matéria que projecta a mão, se permitiu o envolvimento e a entrega à Luz.

    É um privilégio poder receber esta partilha.
    Grata, do coração.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande privilegio é receber o seu comentário tão generoso. Obrigada

      Eliminar
  7. " Sei o que não sinto. Sinto o que não sei. Sei o que sei e sinto. Na confusão desisto, desarmo, perco-me e encontro-me."
    Maravilhoso!!
    Grata pela partilha. Beijinho.

    Luísa

    ResponderEliminar
  8. Lindo e verdadeiro, vou partilhar importante aceitarmos que somos a nossa inconsciência e tambem a nossa consciência, é como diz o António, sem as sombras não existiríamos

    ResponderEliminar
  9. Muito bonito este texto Vera, sinto-o profundamente, obrigada

    ResponderEliminar
  10. Querida Vera, como não tenho a pedalada geminiana (apesar de ser muito mercuriana na minha essência) não tenho a rapidez do António, da Astrid, do Marcelo... LOL E ando mais que desactualizada aqui pela minha travessia pelo deserto...

    Mas cá estou, uma vez mais para te agradecer mais um belíssimo texto. Sempre límpido. Sempre claro. Sempre Verdade.

    Partilho, com coração e muito gosto*

    Até já* na Viagem.

    ResponderEliminar